Ir para o conteúdo.

MANUAL SIAFI WEB

 













CAPÍTULO 020000 - SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL - SIAFI
SEÇÃO 020300 - MACROFUNÇÕES
ASSUNTO 020315 - CONFORMIDADE CONTÁBIL

Acções do Documento
    Geração de PDF
  • create PDF file

020315 - CONFORMIDADE CONTÁBIL

por cargaúltima modificação 2017-01-05 13:43    Versões 

1 – REFERÊNCIAS
1.1     - RESPONSABILIDADE - Coordenador-Geral de Contabilidade e Custos da União.
1.2 – COMPETÊNCIA - Portaria/STN n. 833, de 16 de dezembro de 2011, que estabelece providências sobre o Manual SIAFI e revogou a IN/STN nº 05, de 06 de novembro de 1996.
1.3 – FUNDAMENTO NORMATIVO
1.3.1 - BASE LEGAL
1.3.1.1 - Art. 25 do Decreto-lei n. 9295, de 27 de maio de 1946;
1.3.1.2 - Título IX da Lei n. 4.320, de 17 de marco de 1964;
1.3.1.3 - Art. 177 da Lei n. 6.404, de 15 de dezembro de 1976.              
1.3.1.4 – Arts. 16, 17 e 18 da Lei nº 10.180, de 6 de fevereiro de 2001.
1.3.1.5 – Arts. 6º, 8º e 9º do Decreto nº 6.976, de 07 de outubro de 2009.
1.3.2 - BASE ADMINISTRATIVA
1.3.2.1 - Esta Macrofunção estabelece os procedimentos relativos ao registro da Conformidade Contábil e revoga os artigos 1º ao 5º da Instrução Normativa da STN nº 06, de 31 de outubro de 2007.
2    – APRESENTAÇÃO
2.1 - DEFINIÇÕES
2.1.1 - A Conformidade Contábil dos atos e fatos da gestão orçamentária, financeira e patrimonial consiste na certificação dos demonstrativos contábeis gerados pelo Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal (Siafi).
2.1.2 - A Conformidade Contábil terá como base os Princípios e Normas Contábeis aplicáveis ao setor público, o Plano de Contas da União, a Conformidade dos Registros de Gestão, o Manual Siafi, e outros instrumentos que subsidiem o processo de análise realizada pelo responsável pelo seu registro.
2.1.3 - A Conformidade dos Registros de Gestão consiste da certificação dos atos e fatos da execução orçamentária, financeira e patrimonial incluídas no SIAFI e da existência de documentos hábeis que comprovem as operações (art. 8º do Decreto nº 6.976/2009).
2.1.3.1 - A Conformidade dos Registros de Gestão, suporte ao registro da Conformidade Contábil, é o procedimento voltado para a averiguação da adequabilidade dos documentos emitidos no Siafi com a documentação suporte, não se confundindo com a análise da legalidade do ato, cuja responsabilidade é de quem o ordenou.
2.1.4 - A verificação da conformidade dos registros de gestão, registrada pela unidade gestora, prevista no inciso II do art. 8º do Decreto nº 6.976/2009, consiste na consulta do registro efetuado no Siafi, por meio da transação >CONCONFREG.
2.1.5 - A validação dos registros contábeis no Siafi, com base em documentação hábil, realizada pela Conformidade de Registros de Gestão atende ao previsto no item 11 da NBC T 16.5 do Conselho Federal de Contabilidade, em função do disposto no item 2.1.2.
2.1.6 - O registro da Conformidade Contábil compete a profissional em contabilidade devidamente registrado no Conselho Regional de Contabilidade - CRC, em dia com suas obrigações profissionais, credenciado no Siafi para este fim. 
3    – CONCEITOS
3.1- SETORIAL DE CONTABILIDADE
 
3.1.1 – Os órgãos/unidades Setoriais de Contabilidade são as unidades de gestão interna dos Ministérios, da Advocacia-Geral da União, do Poder Legislativo, do Poder Judiciário e do Ministério Público da União, responsáveis pelo acompanhamento contábil no Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal - Siafi de determinadas unidades gestoras executoras ou órgãos sob sua supervisão, podendo ser caracterizados nas seguintes formas:
3.1.1.1 - Setorial Contábil de Unidade Gestora - é a unidade responsável pelo acompanhamento da execução contábil de um determinado número de Unidades Gestoras Executoras e pelo registro da respectiva conformidade contábil;
3.1.1.2 - Setorial Contábil de Órgão: é a Unidade Gestora responsável pelo acompanhamento da execução contábil de determinado órgão, compreendendo as Unidades Gestoras a este pertencentes, e pelo registro da respectiva conformidade contábil;
3.1.1.3 - Setorial Contábil de Órgão Superior: é a unidade de gestão interna dos Ministérios e órgãos equivalentes responsáveis pelo acompanhamento contábil dos órgãos e entidades vinculados e pelo registro da respectiva conformidade contábil.

3.1.1.4 - Ressalta-se que, para fins do registro da conformidade contábil de Órgão Superior, o Sistema identificará como sendo Órgão Superior aquele Órgão que possui Órgãos subordinados OU Órgão que não possui Órgão Superior a ele. Nessa monta, aqueles Órgãos que se enquadram dentro deste conceito como sendo Órgãos Superiores devem efetuar o registro da conformidade contábil de Órgão Superior, sendo que, ao efetuar este registro o Órgão poderá optar por registrar a conformidade contábil de Órgão.
3.2– SECCIONAL DE CONTABILIDADE
 
3.2.1 – Os órgãos/unidades Seccionais de Contabilidade são aquelas unidades que receberam delegação de competência da Setorial de Contabilidade, que, para tanto, deverão observar os seguintes aspectos:
3.2.1.1 – Volume de transações que justifiquem a delegação;
3.2.1.2 – Acesso à documentação suporte, quando necessário;
3.2.1.3 – Necessidade de acesso direto aos agentes responsáveis pela execução orçamentária, financeira e patrimonial, para atendimento das competências previstas no Decreto 6.976/2009;
3.2.1.4 – Conformidade Contábil registrada por profissional em contabilidade com registro no Conselho Regional de Contabilidade;
3.2.1.5 - Condições de prestar informações sobre execução orçamentária, financeira e patrimonial; e
3.2.1.6 - Inclusão no Siafi de UG própria que represente o novo órgão/unidade seccional, para viabilização da delegação de competência;
3.2.2 – Os servidores da Unidade Gestora ocupantes do cargo de Contador ou de Técnico em Contabilidade ou de cargo equivalente com atribuições contábeis devem estar envolvidos com as atividades contábeis da sua unidade de lotação para fins da conformidade contábil, sendo esses profissionais subordinados tecnicamente à Seccional ou Setorial de Contabilidade e credenciados no Siafi para este fim.
3.3 – PROFISSIONAL EM CONTABILIDADE
3.3.1 – Entende-se por profissional em contabilidade o servidor público ocupante de cargo efetivo ou de comissão regido pela Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990 ou empregado público regido pelo Decreto-Lei n.º 5.452, de 1º de maio de 1943, ou de militar regido pela Lei nº 6.880, de 9 de dezembro de 1980, de nível médio ou superior, que tenha formação em contabilidade e esteja com o registro ativo e regular no Conselho Regional de Contabilidade.
3.4 – UNIDADE GESTORA EXECUTORA
3.4.1 - É a Unidade Gestora responsável pela execução orçamentária, financeira e patrimonial, responsável pela geração de registros contábeis no Siafi.
4 – PROCEDIMENTOS PARA REGISTRO DA CONFORMIDADE CONTÁBIL
4.1 – AUSÊNCIA OU INCIDÊNCIA DE OCORRÊNCIAS CONTÁBEIS
4.1.1 - A Conformidade Contábil registrará a ausência ou incidência de OCORRÊNCIAS e se dará da seguinte forma:
4.1.1.1 - SEM OCORRÊNCIA - quando observadas as seguintes situações, cumulativamente:
4.1.1.1.1 – ausência de inconsistências ou desequilíbrios nas Demonstrações Contábeis;
4.1.1.1.2 - as atividades fins do Órgão estiverem espelhadas nas Demonstrações Contábeis;
4.1.1.1.3 – ausência de ocorrências nas transações >CONCONTIR, >CONINCONS e >CONINDBAL, nos dados contábeis da UG, do órgão vinculado ou do órgão superior;
4.1.1.1.4 – inexistência de contas contábeis com saldo invertido na transação > BALANCETE, exceto aquelas contas em que é permitida a inversão de saldo, cuja situação não representa, propriamente, uma inconsistência;
4.1.1.1.5 – ausência de restrições nos dias em que ocorreram lançamentos contábeis em que a UG tenha registrado a Conformidade de Registros de Gestão; e
4.1.1.1.6 - ausência de inconsistências que comprometam a qualidade das informações contábeis, observadas as orientações, os instrumentos de análise disponíveis no Siafi, outros mecanismos que estejam à disposição do conformista e os esclarecimentos constantes do Manual Siafi;
4.1.1.2 - COM OCORRÊNCIA - será registrada caso seja observada, pelo menos uma das seguintes situações:
4.1.1.2.1 – inconsistências ou desequilíbrios apresentados nas Demonstrações Contábeis;
4.1.1.2.2 - as atividades fins do Órgão não estiverem espelhadas nas Demonstrações Contábeis;
4.1.1.2.3 – existência de ocorrências nas transações >CONCONTIR, >CONINCONS e >CONINDBAL, nos dados contábeis da UG, do órgão vinculado ou do órgão superior, ou ainda, ocorrências determinadas como passíveis desse registro pelo órgão central de contabilidade e/ou por decisão do profissional em contabilidade responsável;
4.1.1.2.4 – existência de contas contábeis com saldo invertido na transação > BALANCETE, exceto aquelas contas em que é permitida a inversão de saldo, cuja situação não representa, propriamente, uma inconsistência; e
4.1.1.2.5 – falta de registro no Siafi ou a existência de restrições registradas na Conformidade de Registros de Gestão, nos dias em que ocorreram lançamentos contábeis na UG;
4.1.1.2.6 - existência de inconsistências que comprometam a qualidade das informações contábeis, observadas as orientações, os instrumentos de análise disponíveis no Siafi, outros mecanismos que estejam à disposição do conformista e os esclarecimentos constantes do Manual Siafi;

4.1.1.2.7 – falta de registro no SIAFI de situações, com devidos documentos comprobatórios que se refiram a atos ou fatos incorridos na unidade ou órgão, comprometendo desta forma a fidedignidade das demonstrações contábeis.

4.1.1.3 - O registro das ocorrências contábeis no SIAFI, feito por meio da transação >ATUCONFCON, deverá ser realizado independentemente de se referir a problema de sistema ou de quem as tiver dado causa, pois o objetivo do registro é evidenciar as ocorrências que necessitam de regularização, ajuste de rotina ou de sistema.
4.2 – CLASSIFICAÇÃO DAS OCORRÊNCIAS CONTÁBEIS
4.2.1 – A classificação das OCORRÊNCIAS CONTÁBEIS, por grupo e código sequencial estão disponíveis nas transações >CONGPREST e >CONRESTCON, respectivamente, conforme critérios a seguir:
4.2.1.1 – O grupo de ocorrências é formado por 3 (três) dígitos. O primeiro indica a classificação da ocorrência: 1 (um) para ALERTA e 2 (dois) para RESSALVA. O segundo dígito indica a classe da conta contábil e, o terceiro, o grupo da conta contábil, de acordo com o Plano de Contas da União.
4.2.1.2 – As ocorrências de cada grupo são formadas por um código sequencial de 3 (três) dígitos, da seguinte forma:
4.2.1.2.1 – Entre 300 e 399, indica as ocorrências de ALERTA;
4.2.1.2.2 – Entre 600 e 799, indica as ocorrências de RESSALVA; e
4.2.2 – O registro da conformidade contábil COM OCORRÊNCIA deverá ser indicado como um ALERTA ou uma RESSALVA, conforme descrição baixo:
4.2.2.1 – ALERTA: sinalização de existência de uma ocorrência que impede a verificação da regularidade nos registros, como por exemplo, a falta de envio de relatórios para conciliação com os dados contábeis.
4.2.2.2 – RESSALVA: indica uma ocorrência contábil que não reflete adequadamente as informações dispostas nos demonstrativos contábeis, como por exemplo: saldos invertidos, falta de lançamentos na contabilidade identificados em relatórios passíveis de conciliação, uso indevido de eventos ou situação no subsistema CPR, registro na conta “Outros” acima do percentual estabelecido na transação >CONPARINC, entre outros.
4.2.3 – A tabela de OCORRÊNCIAS possui, também, a descrição que, além de evidenciar a função de cada uma, classificam-nas em radicais, os quais precedem o seu texto, conforme critério a seguir:
4.2.3.1 - INCOERÊNCIA: quando se referir a comparações intra-rotinas de contas ou entre demonstrativos. Por exemplo: 29213.XX.XX x 30000.00.00; 19114.00.00 x 40000.00.00; Cota/Repasse/Sub-Repasse Concedidos x Cota/Repasse/Sub-Repasse Recebidos; bem como não fechamento do Ativo com o Passivo, do Ativo Compensado com o Passivo Compensado; não fechamento do Ativo e Passivo Compensados com a sua retificadora;
4.2.3.2 - CONCILIAÇÃO: quando se referir à comparação entre sistemas ou dados externos, com o contábil. Por exemplo: Relatório Dívida Ativa x SIAFI; SPIUnet x SIAFI; RMA/RMB x SIAFI;
4.2.3.3 - SALDO INVERTIDO: quando se tratar de saldo invertido em contas ou em contas-correntes. Por exemplo: as contas de Cotas referentes à baixa de Diferido, exceto saldo invertido em fontes próprias; Saldo invertido na conta de Crédito Bloqueado para Remanejamento (Equação 072) que deve ser regularizado; 19111.00.00 x 29211.00.00 e Reclassificação da Folha (Equação 131);
4.2.3.4 - PENDÊNCIA: quando houver a necessidade de complementação de rotina, como a falta de prestação de contas, ou a falta de recolhimento de obrigações, ou a falta na remessa de documentos à Setorial/Seccional Contábil para análises ou conciliações do mês contábil. Exemplo: DARF/GPS sem recolhimento, Obras em Andamento, Reclassificação da Folha (Equação 131); não integração de saldos do Balancete dos órgãos que não pertencem ao OFSS; documentação fiscal pendente de regularização pelo credor (SICAF); falta de cadastramento no Rol de Responsáveis; falta de envio ou apresentação de prestação de contas; falta do pronunciamento do concedente após 60 dias do recebimento da prestação de contas final; falta de instauração de processo de impugnação de contas; permanência de saldo a liberar, a aprovar ou a comprovar; falta na remessa do RMA/RMB; falta de encaminhamento do relatório de selos de controle e de mercadorias apreendidas, falta de documentos em geral solicitados pela Setorial/Seccional Contábil;
4.2.3.5 - CLASSIFICAÇÃO: quando se referir, por exemplo, a contas registradas com grau de liquidez ou exigibilidade indevido. Por exemplo: não transferência do longo para curto prazo ou a classificação indevida de um bem móvel no intangível ou classificação de bens móveis na conta de bens imóveis. Quando não for feita a reclassificação da conta “Outros” para a conta adequada, cujo limite esteja acima dos percentuais estabelecidos na transação CONPARINC; quando da classificação de contas, itens ou favorecidos indevidos; existência de saldos em contas superiores aos limites legais;
4.2.3.6 - VALOR ORIGINAL: quando se referir à falta de atualização de contas do Balanço Patrimonial, inclusive do PL, não atendendo aos preceitos do Princípio do Registro pelo Valor Original;
4.2.3.7 - INCONSISTÊNCIA: quando deixar de atender aos Princípios Contábeis e às Normas Brasileiras de Contabilidade, cuja situação não foi abrangida pelos demais radicais, como por exemplo, falta de registro ou registro de fatos em desacordo com o fato gerador, não atendendo ao princípio da competência. Por exemplo: Pessoal, Provisões, Depreciação, Exaustão, Juros; regularização indevida de documentos/códigos de receitas etc; registro intempestivo ou inoportuno de fatos contábeis.
4.3 - INSTRUMENTOS PARA O LEVANTAMENTO DAS OCORRÊNCIAS CONTÁBEIS
4.3.1 – SETORIAL/SECCIONAL DE CONTABILIDADE DE UG
4.3.1.1 - Para o registro da conformidade contábil de UG, o conformista contábil deve-se utilizar dos instrumentos que forem necessários para a realização da análise contábil, em nível de UG, como, por exemplo, as transações >CONCONTIR, >CONINCONS, >CONINDBAL, >BALANSINT, >CONBALANUG, >CONOR, >CONORC, >BALANCETE etc.
4.3.2 – SETORIAL/SECCIONAL DE CONTABILIDADE DE ÓRGÃO
4.3.2.1 - Para o registro da conformidade contábil de Órgão, o conformista contábil deve-se utilizar dos instrumentos que forem necessários para a realização da análise contábil como, por exemplo, as transações >CONCONTIR, >CONINCONS, >CONINDBAL, >BALANSINT, >CONBALANUG, >CONOR, >CONORC etc, bem como utilizar a transação >BALANCETE, em nível de órgão, para verificar as ocorrências contábeis apresentadas neste nível.
4.3.3 – SETORIAL DE CONTABILIDADE DE ÓRGÃO SUPERIOR
4.3.3.1 – Para o registro da conformidade contábil de Órgão Superior, o conformista contábil deve-se utilizar dos instrumentos que forem necessários para a realização da análise contábil como, por exemplo, as transações >CONCONTIR, >CONINCONS, >CONINDBAL, >BALANSINT, >CONBALANUG, >CONOR, >CONORC, etc, bem como utilizar a transação >BALANCETE, em nível de Órgão Superior, para verificar as ocorrências contábeis apresentadas neste nível.
5 - CONFORMIDADE CONTÁBIL DO BALANÇO-GERAL DA UNIÃO
5.1 – RESPONSABILIDADE PELO REGISTRO
5.1.1 - A Coordenação-Geral de Contabilidade e Custos da União da Secretaria do Tesouro Nacional - CCONT/STN é responsável pela Conformidade Contábil do Balanço- Geral da União - BGU, tendo como profissional em contabilidade responsável o Coordenador-Geral de Contabilidade e Custos da União.
5.1.2 - A Conformidade Contábil de UG, de órgão vinculado, de órgão superior e de entidades que utilizam o Siafi na modalidade parcial, será registrada da mesma forma que a realizada para as UG, órgãos e entidades que utilizam o Siafi na modalidade total, pelas suas setoriais/seccionais contábeis.
5.1.3 - Compete à CCONT/STN, por meio da transação >CONCONFCON, verificar as conformidades contábeis registradas COM OCORRÊNCIA, de órgão e de órgão superior, com o objetivo de avaliar as ocorrências e desenvolver métodos preventivos para reduzi-las.
5.1.4 - Para o registro da Conformidade Contábil dos órgãos parciais, a setorial de contabilidade de UG, assim como a CCONT/STN, deve efetuar o seu registro somente após o fechamento contábil de cada mês, de acordo com o prazo estabelecido na transação >CONFECMES.
5.2 – RESPONSABILIDADE PELA INFORMAÇÃO CONTÁBIL
5.2.1 - O Ordenador de Despesa é responsável direto pela veracidade das informações contidas nos Demonstrativos Contábeis da(s) respectiva(s) UG(s).
5.2.2 - O profissional em contabilidade que registrou a Conformidade Contábil é responsável técnico pela adequação, do ponto de vista contábil, das informações contidas nos Demonstrativos Contábeis da(s) respectiva(s) UG(s).
6 – COMPETÊNCIAS DAS SETORIAIS/SECCIONAIS DE CONTABILIDADE
6.1 – SETORIAS DE UG, DE ÓRGÃO E ÓRGÃO SUPERIOR
6.1.1 - As unidades setoriais/seccionais de contabilidade de UG e de órgão, bem como de órgão superior devem acompanhar e orientar as unidades gestoras na regularização das ocorrências contábeis para que essas sejam efetuadas dentro dos prazos estabelecidos de forma a evitar a reincidência das mesmas; assim como prevenir o aparecimento de  outras inconsistências no encerramento de cada exercício financeiro, como saldos irrisórios ou residuais, informando  ao controle interno as providências não adotadas para o saneamento das ocorrências ou inconsistências apontadas.
6.1.2 – O Ordenador de Despesas deve, mensalmente, consultar a conformidade contábil no Siafi, na transação >CONCONFCON, da(s) UG(s) sob sua responsabilidade, a fim de providenciar a solução, junto às áreas envolvidas, das ocorrências apontadas.
6.1.3 - A conformidade contábil registrada no Siafi é objeto de consulta e acompanhamento dos órgãos de controle interno e externo.
6.1.4 - As ocorrências não regularizadas até o encerramento do exercício financeiro devem ser objeto de citação no Processo de Contas anual.
6.1.5 - O titular de cada unidade setorial/seccional de contabilidade de UG e de órgão, bem como de cada setorial de órgão superior deve atualizar, sempre que necessário, o nome dos profissionais contábeis, o CPF e o número do registro no CRC, no cadastro da UG e no Rol de Responsáveis, por meio das transações >ATUUG e >ATUAGENTE, respectivamente.
6.2. - A Conformidade Contábil se aplica somente às Unidades Gestoras que sejam executoras no Siafi.
7 – PRAZOS PARA REGISTRO DA CONFORMIDADE CONTÁBIL
7.1 – TRANSAÇÃO >CONFECMES
7.1.1 - O registro da Conformidade Contábil deve ser efetuado mensalmente por meio da transação >ATUCONFCON nos prazos estabelecidos na transação >CONFECMES.
7.1.2 - Os prazos para o fechamento contábil do mês e a data-limite para o registro da Conformidade Contábil previstos na transação >CONFECMES são definidos pela CCONT/STN, sendo que, dentro de cada órgão, a setorial de contabilidade pode definir, na transação >ATUFECMES, datas para encerramento contábil do mês de suas UG vinculadas, data esta precedente ao enceramento contábil estabelecido pela CCONT para todas as UG Executoras.
7.1.3 - Os prazos para a Conformidade do mês de dezembro serão definidos por orientação especifica para o encerramento do exercício, estabelecidos no Manual Siafi, Macrofunção 02.03.18 – Encerramento do Exercício.
8 – SEGREGAÇÃO DE FUNÇÃO NA REALIZAÇÃO DA CONFORMIDADE CONTÁBIL
8.1 – CONCEITO E OBSERVÂNCIA DO PRINCÍPIO DA SEGREGAÇÃO DE FUNÇÃO
8.1.1 – A segregação de funções consiste em princípio básico de controle interno administrativo que separa, por servidores distintos, as funções de autorização, aprovação, execução, controle e contabilidade.
8.1.2 – O conformista contábil, em observância ao princípio da segregação de função, não poderá, concomitantemente, exercer quaisquer funções conflitantes com sua atividade de realizar a conformidade contábil, tais como: autorizar, aprovar e executar registros de gestão ou ainda efetuar a conformidade de registro de gestão.
8.1.3 – A emissão de documentos no Siafi para a realização de ajustes e regularizações contábeis não caracteriza inobservância ao princípio da segregação de função.
9 - ASSUNTOS RELACIONADOS
 
9.1 – CALENDARIO DE FECHAMENTO DO MES
Transação: >ATUFECMES - ATUALIZA CALENDARIO FECHAMENTO
Transação: >CONFECMES - CONSULTA CALENDARIO FECHAMENTO
 
9.2 –CONFORMIDADE DE REGISTRO DE GESTÃO
Transação: >ATUCONFREG - ATUALIZA CONF. DE REGISTRO DE GESTÃO
Transação: >CONCONFREG - CONSULTA CONFORMIDADE DE REGISTRO DE GESTAO
 
9.3 - CONFORMIDADE CONTABIL
Transação: >ATUCONFCON - ATUALIZA CONFORMIDADE CONTABIL
Transação: >CONCONFCON - CONSULTA CONFORMIDADE CONTABIL
 
9.4 – TABELA DE UG E ORGAO
Transação: >CONUG - CONSULTA UNIDADE GESTORA
Transação: >CONORGAO - CONSULTA ORGAO E DE ÓRGAO SUPERIOR
9.5 – GRUPO E OCORRENCIAS CONTÁBEIS
Transação: >CONGPREST - CONSULTA GRUPO DE RESTRICAO CONTABIL
Transação: >CONRESTCON - CONSULTA RESTRICAO CONTABIL
 
9.6 – INTEGRACAO DE BALANCETE
Transação: >ATUDESP - ATUALIZA DESPESA
Transação: >ATUSM - ATUALIZA SALDOS MENSAIS      
Transação: >CANREGINT - CANCELA REGISTRO DE INTEGRACAO
Transação: >CONDESP - CONSULTA DESPESA
Transação: >CONSITINT - CONS. SITUACAO DE INTEGRACAO
Transação: >CONSM - CONSULTA SALDOS MENSAIS
Transação: >REGINT - REGISTRA INTEGRACAO
 
9.7 – AUDITORES CONTABEIS
Transação: >CONCONSOL - CONSULTA REGRAS DE CONSOLIDACAO     
Transação: >CONCONTIR - CONSULTA CONTAS A REGULARIZAR       
Transação: >CONEQBAL - CONSULTA EQUACOES DE BALANCO
Transação: >CONINDBAL - CONSULTA INDICADORES DE BALANCO     
Transação: >CONEQCONT - CONSULTA EQUACAO EQUILIBRIO CONT     
Transação: >CONGERAREL - CONSULTA REGRAS DE BALANCO           
Transação: >CONINCONS - CONSULTA INCONSISTENCIA-OUTROS       
Transação: >CONPARINC - CONSULTA PARAMETROS DE INCONSISTENC
 
9.8 – ROL DE RESPONSAVEIS
Transação: >ATUUG - ATUALIZA UG
Transação: >ATUAGENTE - ATUALIZA AGENTE RESPONSAVEL
Transação: >CONUG – CONSULTA UG
Transação: >CONAGENTE – CONSULTA AGENTE RESPONSAVEL
 
9.9 - SALDO INVERTIDO
Transação: >BALANCETE – BALANCETE CONTABIL
Transação: >CONRAZAO – CONSULTA RAZAO POR CONTA CONTABIL
 
9.10 – INDICADORES CONTABEIS DE CONTA E DE EVENTOS
Transação: >CONINDCONT – CONSULTA INDICARES CONTABEIS
 
9.11 – MACROFUNCOES – MANUAL Siafi
Macrofunção: 02.10.03 – MANUAL DE ANALISE DOS DEMONSTRATIVOS E AUDITORES CONTABEIS
Macrofunção: 02.10.06 – MANUAL DE REGULARIZACOES CONTABEIS
Macrofunção: 02.03.07 – TRANSFERENCIAS VOLUNTARIAS
Macrofunção: 02.03.03 - PROGRAMAÇÃO E EXECUÇÃO FINANCEIRA
Macrofunção: 02.03.11 - INTEGRAÇÃO DE SALDOS CONTÁBEIS PARA ELABORAÇÃO DO BGU
Macrofunção: 02.03.17 – RESTOS A PAGAR
Macrofunção: 02.03.18 – ENCERRAMENTO DO EXERCICIO
Macrofunção: 02.03.19 - DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS
Macrofunção: 02.03.20 - TOMADA E PRESTACAO DE CONTAS
Macrofunção: 02.03.34 - BENS DE INFRAESTRUTURA
Macrofunção: 02.06.00 - PLANO DE CONTAS
Macrofunção: 02.11.01 - REL. MOV.ALMOXARIFADO E REL.MOV.BENS MÓVEIS
Macrofunção: 02.11.39 - PROCEDIMENTOS PARA AJUSTES E REGULARIZAÇÕES CONTÁBEIS
Macrofunção: 02.12.05 - ROTEIRO DE ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA, FINANCEIRA E CONTÁBIL
 
 
 
 
 
ANEXO I
De/Para: Grupo x Sequencia numérica das restrições – Novo Grupo x Sequência numérica das Ocorrências
Obs: A sigla "EXC" constante da tabela De/Para referem-se as restrições que foram excluídas. Umas por não fazer mais sentido a sua permanência, outras por referir-se à Conformidade de Registro de Gestão ou por não ser de competência das Setoriais/seccionais de Contabilidade.
ANEXO II
De/Para: Código de Restrição das Equações do CONCONTIR – Nova codificação das Ocorrências do CONCONTIR
 



10  - COORDENAÇÃO RESPONSÁVEL:

COORDENAÇÃO-GERAL DE CONTABILIDADE E CUSTOS DA UNIÃO - CCONT

 


Manual Siafi
Última modificação: 2017-01-05 13:43
Data do documento: 2008-09-10 12:11